Fosfoetanolamina: A Pílula do Câncer – Um Guia Definitivo

Fosfoetanolamina: A Pílula do Câncer – Um Guia Definitivo

O câncer é sempre uma fonte de pesquisa, tanto para que é acometido por esta terrível doença, quanto familiares ou amigos que buscam sempre aproimorar seus conhecimentos sobre o assunto. Isso é natural, pois o que se quer é entender o problema e conhecer formas de combatê-lo.

Nessas buscas, talvez você já tenha ouvido falar da Fosfoetanolamina, que ficou popularmente conhecida como a pílula do câncer. Nesse guia, você conhecerá melhor a história do câncer e as formas usuais de tratamento. Também será apresentado a este suplemento e de que forma alguns especialistas apontam que ele pode auxiliar no tratamento convencional desta terrível doença.

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE ESTE ARTIGO:
Este texto não tem o objetivo de prescrever ou indicar o uso do suplemento Fosfoetanolamina para tratamento de câncer.
Por ser considerado um suplemento pela ANVISA e ainda em fase de testes, o que fizemos foi reunir informações sobre o câncer, bem como, tratamentos e a Fosfoetanolamina. Boa leitura!

Um pouco sobre a história do câncer

O câncer é uma doença que aflige a sociedade há muito tempo, tendo sido definido na Grécia Antiga como um tumor duro que, mesmo após removido, poderia reaparecer.

Hoje se sabe que ele é fruto do surgimento de células anormais, que podem ao longo do tempo se espalhar para diferentes partes do corpo. A origem de seu nome está relacionada ao caranguejo, já que a forma das células cancerígenas lembra justamente este animal.

Estudiosos observaram que ao longo do tempo o câncer foi se tornando uma enfermidade cada vez mais frequente, principalmente com o aumento da expectativa de vida da população e o estilo de vida sedentário, somado a uma alimentação inadequada.

Outros fatores também podem colaborar para o surgimento da doença, tais como:
– Ingestão de álcool e de tabaco;
– Problemas na produção de hormônios;
– Histórico familiar;
– Exposição à radiação;
– Entre outros.

Apesar de todos esses fatores, é possível diminuir a probabilidade de desenvolver este problema. Para isso, a alimentação saudável e a prática regular de atividade física são essenciais.

Tratamentos contra o câncer

Atualmente, estima-se que há mais de cem tipos diferentes da doença e por isso é fundamental a orientação de um especialista quanto ao tratamento a ser adotado, o qual pode variar de acordo com a localização do tumor e com o estágio em que ele está.

Os tratamentos mais comuns são:

Quimioterapia
Método que consiste na utilização de medicamentos cujo objetivo é destruir e impedir a produção de novas células cancerígenas. Para isso, estas substâncias são ingeridas via oral, intravenosa, intramuscular, subcutânea, intratecal (quando aplicada na espinha dorsal) e/ou tópica (sobre a pele) para que se misturem ao sangue.

É um tratamento recomendado principalmente para cânceres de ovário, pâncreas, testículos e de mama, embora, a critério médico, possa ser empregado em tumores localizados em outras áreas.

Radioterapia
São utilizados raios ionizantes para danificar o DNA do tecido com câncer, ajudando a combater a doença e reduzindo os seus sintomas.

Devido às características deste recurso, os feixes são direcionados ao tumor a partir de diversos ângulos, preservando as partes do corpo não afetadas e concentrando esforços no local em que há tumores.

É uma opção usada no combate a pelo menos metade das tipologias de câncer. A intensidade dos raios pode variar, sendo os mais fracos empregados na pele e os mais fortes nos casos em que a doença está mais internalizada, como no pescoço, na cabeça e nos ossos.

Terapia Hormonal ou hormonioterapia
Este tratamento intervém no funcionamento dos hormônios que contribuem para a expansão das células cancerígenas.
Seu público-alvo são os portadores de cânceres de próstata e de mama, tipologias favorecidas pela produção e recepção de hormônios como o androgênio, o estrogênio e a progesterona.

Cirurgia
As cirurgias em pacientes com câncer servem para retirar tumores, nódulos e tecidos afetados pela doença. Em alguns casos, este procedimento elimina por completo o problema, mas o mais comum é que seja utilizado em conjunto com outros tratamentos.

Terapia-alvo
Seu objetivo é modificar o processo de formação da célula com câncer. Para isso, o remédio é utilizado para modificar como a célula irá se dividir, se expandir, se recuperar ou até mesmo se relacionar com as células saudáveis.

Imunoterapia
O sistema imunológico é responsável por detectar se há algo errado no organismo e começar a combater o problema o mais cedo possível. Neste tratamento, geralmente combinado com outros, o paciente recebe uma série de proteínas que fazem com que o sistema imunológico reconheça as células cancerígenas como algo anormal e passe a combatê-las.

E qual é o lugar da Fosfoetanolamina pode auxiliar na luta contra o câncer? Para responder a esta pergunta, veja a seguir como ela surgiu.

O que é a Fosfoetanolamina e onde foi criada?

A Fosfoetanolamina é uma substância produzida naturalmente por alguns músculos e pelo fígado humano. Uma de suas funções é combater tumores e destruir gradualmente as células consideradas anormais.

A sua descoberta como aliada no tratamento oncológico se deu graças aos estudos do professor Gilberto Orivaldo Chierice, iniciados nos anos 1990. Professor do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), no campus de São Carlos, ele começou a analisar esta substância e observou como ela agia no sistema imunológico de pacientes com câncer.

Como uma espécie de facilitador, ela deixava mais claro ao corpo quais eram as células cancerígenas. Com esta informação destacada, o organismo poderia se programar para impedir a proliferação dessas células para outras regiões do corpo e eliminá-las.

A partir disso, iniciaram-se esforços para produzi-la em laboratório, e segundo Paulo Hoff, diretor-geral do Icesp, declara para o portal Istoé que a Fosfoetanolamina foi considerada segura na primeira etapa de testes realizados com humanos.

Quais os seus princípios ativos?

A fosfoetanolamina é basicamente composta pelas seguintes substâncias:

Resveratrol
Este composto é o que chamamos de polifenol, uma substância considerada um antioxidante natural – que protege as células saudáveis – e com poderes terapêuticos.

No geral, ele pode ser encontrado em plantas medicinais, nas uvas e no cacau. Assim, ao saborear um chocolate ou tomar uma taça de vinho, você está absorvendo resveratrol!

Vitamina K2
Essa vitamina atua principalmente na absorção do cálcio, um mineral essencial para a estrutura óssea e dentária. Ela está naturalmente presente em alguns alimentos de origem animal – como leite, ovos, carne, queijos e produtos fermentados – e na nossa flora intestinal, onde é produzida pelas bactérias que ali vivem.

Ao ingerir a vitamina K2, você contribui também para a saúde da sua circulação sanguínea (evitando má coagulação) e para o fortalecimento da densidade óssea.

Desta forma, além do papel que pode desempenhar no tratamento contra o câncer, a fosfoetanolamina também é uma parceira do sistema cardiovascular e do nosso esqueleto.

Como a fosfoetanolamina atua nas células cancerígenas?

A fosfoetanolamina sintética, ou seja, que é fabricada em laboratório, é composta por substâncias que contribuem para a saúde das células e que visam à proteção do organismo.

Particularmente no caso das células cancerígenas, ela atua para combatê-las e ao mesmo tempo em que busca manter as demais células saudáveis.

A Fosfoetanolamina é considerada um medicamento pela ANVISA?

Neste momento, a ANVISA estuda a fosfoetanolamina para que ela receba a certificação como medicamento. Já foram iniciados os testes pelos órgãos competentes.

Atualmente ela é comercializada como suplemento alimentar e já apresenta bons resultados em pacientes que também se submetem a outros métodos de tratamento contra o câncer, como a quimioterapia e radioterapia. É por esta razão que a substância é chamada e conhecida popularmente como “pílula do câncer”.

Como a Fosfoetanolamina pode ajudar na cura do câncer?

Os princípios ativos da fosfoetanolamina podem ajudar na medida em que agem na formação de tumores, é o que aponta nos estudos do Dr. Gilberto. Com o avanço da doença, as células malignas aumentam de quantidade e se espalham por diferentes partes do organismo.

O uso da substância intervém neste processo, sinalizando ao sistema imunológico que algo está errado com aquelas células. Dessa forma, o crescimento de volume de alguma parte do corpo é impedido, fazendo com que as células fiquem restritas ao lugar em que apareceram.

É importante frisar que o uso da substância não substitui o tratamento convencional, sendo um suplemento que deve ser utilizado em conjunto com outros tipos de tratamento indicados pelo médico, a fim de potencializar seus efeitos.

Como ela age nas células doentes?

A fosfoetanolamina funciona da seguinte forma:

Age contra proliferação:
Ao mesmo tempo que a substância estimula o isolamento das células doentes, evitando sua expansão para outros órgãos do corpo, ela também estimula o crescimento de células normais.

Fomenta a apoptose celular
O termo que vem da língua grega refere-se a um processo que acontece naturalmente nos seres vivos, chamado “morte celular programada”. Diariamente corpo controla a destruição de determinadas células, fomentando um ciclo de renovação.

Neste caso, o uso do suplemento facilita que as células anormais sejam classificadas pelo organismo como uma das que devem ser destruídas naturalmente, combatendo assim as células cancerígenas.

Tem função sinalizadora
Uma de suas características bioquímicas é avisar ao organismo quando as células estão apresentando um funcionamento diferente do padrão programado. Com isso, o corpo deixa sinalizado este grupo para não ser reproduzido e expandido, o que evita sua reprodução.

Age como um marcador antitumoral
O fator de sinalização também contribui para que a fosfoetanolamina tenha o papel de ser um composto antitumoral. Se há a dinâmica de destacar células doentes, isolá-las e eliminá-las, consequentemente impede-se o desenvolvimento de tumores.

A Bula da fosfoetanolamina

Veja a seguir as principais informações presentes na bula:

Testes Clínicos

A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa do Ministério da Saúde permitiu o início dos testes da fosfoetanolamina, o que pode garantir a sua certificação como medicamento.

Por determinação do Governo do Estado de São Paulo, este processo está sob responsabilidade do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo e tem como foco pacientes que sejam portadores de tumores sólidos e em estágio avançado.

O cronograma de testes prevê diferentes etapas de trabalho, nas quais o número de pacientes que receberá a pílula crescerá gradualmente.

A Fosfoetanolamina funciona para qualquer tipo de câncer?

Como há mais de cem tipos de câncer, é delicado dizer que a fosfoetanolamina contribui para o tratamento de todos eles. Isso porque cada manifestação da doença demanda procedimentos específicos que são determinados pelo médico oncologista com o aval do paciente.

Neste sentido, os testes que estão sendo realizados poderão melhor esclarecer esta questão. A previsão é que na última fase do projeto, a fosfoetanolamina seja administrada em pelo menos 1000 pacientes.

Onde encontrar a Fosfoetanolamina no Brasil?

Por ser considerada um suplemento alimentar, a ANVISA permite a sua venda como tal desde que vendedor (loja ou site) esteja no exterior e entregue diretamente ao cliente no Brasil.

O interessado também pode comprar a fosfoetanolamina em uma viagem ao exterior, desde que fique comprovado o uso próprio, como menciona a notificação da ANVISA.

Você também pode comprar a Fosfoetanolamina direto dos Estados Unidos e ser entregue diretamente em seu endereço através desta página. A Vitaminas Express é uma empresa séria e que envia o produto de forma correta para você.

Para conhecer o produto, basta CLICAR AQUI. Agradecemos sua leitura!

4 Replies to “Fosfoetanolamina: A Pílula do Câncer – Um Guia Definitivo”

  1. Quantas pílulas devem ser tomadas por dia? Com que frequência? Como era prescrita a fórmula pelo Dr. Gilberto? Vocês não acham o cúmulo e o descaso para com a população um medicamento ou um composto criado ou descoberto no Brasil só possa ser comprado no exterior, impedindo o acesso das pessoas mais pobres?, uma vez que a fosfoetanolamina tem um custo de produção acessível às camadas mais pobres da população? Se o medicamento salva ou melhora a vida das pessoas, por que vendê-lo tão caro?

    1. Olá Maria Luiza, agradecemos sua mensagem. Muito importante.
      Infelizmente seguimos a legislação brasileira e somente comercializamos o produto. Temos o cuidade de escolher produtos originais e de qualidade.
      Em nossa loja a senhora não precisa da receita, nem a ordem judicial para compra. Basta acessar a página do produto e efetuar sua compra.
      Entregaremos em seu endereço. Qualquer dúvida estamos à sua disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *